top of page

 

EQUIPE

 

Pesquisadores

Pesquisadores

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília (1981), com mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Molecular) pela Universidade de Brasília (1990) e doutorado em Ciências Biológicas (Biologia Molecular) pela Universidade de Brasília (1996), na área de concentração Biofísica Molecular. Atualmente é Professora Associada - Nível 4, da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Biofísica Molecular Estrutural e aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Purificação de proteínas; estrutura de proteínas; cristalografia de proteínas; estrutura e estabilidade estrutural de proteínas; estrutura de inibidores de proteases; caracterização funcional de inibidores de proteases quanto a: Efeitos anticarcinogênicos (câncer de mama, adenocarcinoma mamário, câncer de epiderme, câncer oral), efeitos cardiovasculares e natriuréticos; aplicações biotecnológicas de inibidores de proteases. Veja uma reportagem sobre a Prof. Sonia aqui!

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília (1992) e em Processamento de Dados pela Faculdade Alvorada de Processamento de Dados (1991), mestrado (1995) e doutorado (1999) em Química (Físico-Química) pela Universidade de São Paulo. De 2002 a 2010 foi pesquisador adjunto do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS, administrado pela ABTLuS). Atualmente é professor da Universidade de Brasília (UnB), colaborador da Universidade Católica de Brasília (UCB), pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e assessor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Tem experiência na área de biofísica e bioquímica, atuando mais especificamente na área de biologia estrutural utilizando as técnicas de cristalografia de proteínas e modelagem molecular.

1.png
1.png
1.png

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (2002) e doutorado pelo Centro de Biologia Molecular Estrutural do Instituto de Física de São Carlos - USP (2008), com estágio sanduíche no exterior na Roche Pharmaceuticals, EUA. Tem experiência na área de Biologia Molecular Estrutural, com ênfase em Cristalografia e Bioinformática (métodos de QSAR, modelos farmacofóricos, análise de sequências e modelagem molecular por homologia). É especialista Ressonância Plasmônica de Superfície. Fez parte de seu pós-doutorado nos EUA em 2010, onde trabalhou com ensaios celulares e microscopia confocal. É professor da Universidade de Brasília - UnB. Suas áreas de atuação atualmente incluem sistemas toxina-antitoxina de Mycobacterium tuberculosis, septinas humanas, cistatinas e o estudo das interações intermoleculares.

Corpo Técnico

Corpo Técnico

Alunos & Associados

Alunos & Associados
1.png

Egressos

Egressos
Coleta de dados 30.08.19.jpeg

Iniciação Científica

Fundador

Fundador

ventura.jpg

21/06/21 - 31/12/18

Faleceu no dia 31 de dezembro de 2018, aos 97 anos, o professor emérito da Universidade de Brasília Manuel Mateus Ventura. Nasceu em Fortaleza no dia 21 de junho de 1921. Formou-se em Agronomia em 1943 na Universidade Federal do Ceará (UFC). Sua primeira atividade acadêmica foi como Professor de Química Orgânica no curso de agronomia da UFC. Suas primeiras atividades em pesquisa procuraram entender as correlações entre propriedades físico químicas em séries homólogas de compostos orgânicos, assim como no cálculo de propriedades termodinâmicas a partir de dados de espectroscopia infravermelha. Tornou-se professor titular e estimulou jovens para a pesquisa tendo como tema a biologia vegetal abordando questões como ação de inibidores metabólicos na abertura e fechamento de estômatos e na ação de antibióticos no crescimento de plantas superiores. Desempenhou um papel importante na criação em 1958 do Instituto de Química e Tecnologia (IQT/UFC) tendo sido seu diretor até 1968.


Em 1970 foi convidado para a UnB que ainda estava se recuperando da crise de 1965 e que foi registrada no livro de Roberto Salmeron, Universidade Interrompida: Brasília 1964-1965 (editora Universidade de Brasília).


O Instituto de Ciências Biológicas (IB) no início da década de 1970 era constituído de quatro departamentos. O primeiro era o Departamento de Psicologia, que no final da década de 1980 foi transformado em Instituto de Psicologia. A principal ligação desse departamento com as áreas da biologia era realizada pelo grupo de psicologia experimental liderado pelo professor João Claudio Todorov, que se tornou mais tarde decano de Pesquisa e Pós-Graduação, vice-reitor e posteriormente reitor da universidade.


Os outros três departamentos, Biologia Celular, Biologia Animal e Biologia Vegetal, foram criados por se contar no quadro do IB com lideranças capazes de servir como referência para esses departamentos. O Departamento de Biologia Celular era chefiado pelo professor Manuel Mateus Ventura, expoente no campo da físico-química. O Departamento de Biologia Animal era chefiado pelo saudoso professor Wladimir Lobato Paraense, liderança na área de Malacologia. O Departamento de Biologia Vegetal era chefiado pelo saudoso professor Luiz Fernando Gouveia Labouriau, um nome de expressão na Fisiologia Vegetal e que passou um pequeno período na administração superior da UnB ocupando o cargo de decano de Pesquisa e Pós-graduação. Exilou-se na Venezuela e retornou à UnB na década de 80.


O professor Ventura, como era chamado, criou o Laboratório de Biofísica e desempenhou um papel importante na criação do primeiro curso de Biologia Molecular no Brasil, juntamente com os Professores Carlos Médicis Morel e Eugen Gander.


Nas suas atividades de pesquisas dedicou-se aos estudos físicos – químicos, principalmente relacionados a interação proteína-proteína. Nessa época (década de 70), os seguintes professores faziam parte do Laboratório de Biofísica: o saudoso Lauro Mohry (que se transferiu posteriormente para o Laboratório de Bioquímica, onde montou um grupo de estudo de química de proteínas, tendo sido reitor da UnB), Hiroaki Ikemoto (aposentado), Kumiko Mizuta (aposentada), Jefferson Aragão (aposentado) e Celina Martins (aposentada).


As qualidades didáticas do professor Ventura eram excepcionais. As suas brilhantes exposições da área de físico-química eram encantadoras. O Laboratório, graças a visão o professor Ventura era equipado com os mais avançados equipamentos nos estudos físicos e químicos de proteínas. Publicou inúmeros trabalhos, principalmente nos Anais da Academia Brasileira de Ciências. Recebeu inúmeras homenagens como a Ordem Nacional de Mérito Científico na categoria de Grã-Cruz, o Prêmio Anísio Teixeira e membro titular da Academia Brasileira de Ciências.


O professor Ventura deixa saudades e um belo legado que passa a fazer parte da história da Universidade de Brasília e da Ciência brasileira.

Este texto foi escrito pelo professor Isaac Roitman para o site de notícias da UnB. Veja aqui.

bottom of page